Manifesto




Mais do que um fato histórico, Maracanazo (sempre com Z) é um estado de espírito. Todo o sentimento que se passa antes, durante e depois de um jogo de futebol apareceu nos mais de 200 mil corações presentes naquele 16 de julho de 1950. E ecoou pela eternidade. Paixão, sofrimento, garra, alegria, tristeza, raiva, incredulidade, euforia. O que imaginar. A vitória do Uruguai sobre o Brasil no primeiro Mundial pós-guerra pode ser um marco (dos vários existentes entre as décadas de 20 e 70) entre o que se convenciona chamar de futebol moderno. No apito final daquela partida, os homens foram divididos em heróis e vilões. No nosso Maracanazo, a tragédia não tem mocinhos. Nem inimigos. Somos todos humanos, de carne e osso, de virtudes e defeitos. De Barbosa a Ghiggia. De Pelé a Maradona. De Formiga a Marta. De Messi a Cristiano Ronaldo.

O Maracanazo pretende ser um veículo de comunicação voltado ao futebol, mas que não se limita aos 90 minutos do gramado. “Futebol, cultura e sociedade” é um lema que evidencia nossa identidade. Se o clichê diz que futebol é muito mais do que um jogo, tentaremos provar isso em nossos textos, acompanhando os principais campeonatos do mundo, repletos de brilho, glamour e dinheiro. Mas sem dar preferência a eles em detrimento aos torneios, clubes e personagens menos badalados, que terão o mesmo espaço em nossas linhas digitais.

O bilhete para o Maracanazo já está pago. Suba a rampa de acesso, se acotovele por um espaço para ver o campo e aproveite o espetáculo.